Numerologia: tudo o que você precisa saber sobre – GQ

9

Numerologia é baseada 100% na matemática (Foto: divulgação)

Faltam apenas dois meses para e 2020 e você já sabe quais os planos para o novo ano? A numerologia pode te ajudar. O mapa numerológico, diferente do mapa astral (baseado nas estrelas no dia e hora em que nasceu), é 100% matemático e racional. Conversamos com o numerólogo Paulo Madjarof, conhecido por atender nomes como Cleo, Isabella Santoni, Bianca Andrade e os integrantes da banda Melim, para tirar explicar como seu trabalho pode ajudar a alavancar a vida profissional e emocional de uma pessoa.

+ Como lidar com seu pai de acordo com o signo dele
+ A Astrologia é um bom negócio?
+ Como gerir bem o seu tempo pode ajudar a conquistar o que você almeja

“O meu intuito de trabalhar com a numerologia após a morte da minha mãe. Após o falecimento dela, eu abri o mapa numerológico dela e vi o quão longe ela estava da missão de vida. Eu não quero mais que as pessoas fiquem infelizes ou doentes e vou ajudar tanto que precisar”, disse Madjarof à GQ Brasil. 

Veja a conversa abaixo:

GQ Brasil: Afinal, o que é a numerologia?

Paulo Madjarof: Eu falo que é uma ferramenta de autoconhecimento que permite a gente entender um pouco mais sobre a nossa vida, desde personalidade ao propósito de vida. Muitas pessoas dizem pra mim que não sabem o que fazer da vida. Então a numerologia é uma técnica que existe há mais de 2 mil anos. Ela é puramente matemática para entender mais o nosso propósito.

GQ Brasil: Existem vários tipos de numerologia?

Paulo Madjarof: Sim. Eu trabalho com a pitagórica, de Pitágoras, a primeira a ser criada. Hoje, eu consigo atingir mais pessoas porque ela é exata. Ela não fala de vidas passadas, astrologia, energias ou religião.


Paulo e a banda Melim (Foto: Reprodução/ Instagram)

GQ Brasil: Qual a diferença entre mapa numerológico e mapa astral?

Paulo Madjarof: A diferença é que o mapa astral é uma foto do céu na data do nascimento e fala de energias. O mapa numerológico é focado e missão de vida. Ou seja, ela foca em você entender no seu propósito e o seu potencial na vida. Mas um complementa o outro e um não substitui o outro.

GQ Brasil: O que a numerologia tem a ver com a “missão de vida” e “linha de destino”?

Paulo Madjarof: Todos nós nascemos com um potencial. Tem gente que tem  missão de vida de vendedora, professor, ajudar pessoas, comunicadora e assim por diante. E quando você começa a entender seu propósito, tudo gira. A gente consegue descobrir um pouco da nossa missão quando olhamos para os sonhos de crianças e hobbies. Ou seja, é necessário se conectar com isso.

GQ Brasil: Por que o mapa numerológico não precisa de horário de nascimento?

Paulo Madjarof: Ele não trabalha com o alinhamento dos planetas no céu. Por isso.

GQ Brasil: Como o mapa numerólogo pode ajudar o homem?

Paulo Madjarof: Auto confiança e qualidade de vida. Não há nada mais prazeroso do que dormir no domingo e pensar na segunda-feira com felicidade em vez de ficar na bad ao ouvir a música do Fantástico (risos). Então, ele vai encontrar o propósito, descobrir que pode trabalhar com o que ama e dar o melhor dele naquilo. Trabalhar com algo que você não gosta pode acabar com a saúde mental e física. Eles têm que lembrar: dinheiro é consequência.

GQ Brasil: Como os homens chegam até o seu trabalho?

Paulo Madjarof: O homem é muito influenciado pelo racional e eu levo a numerologia por esse lado. Eu atendo muitos médicos, advogados e engenheiros e eles se abrem pois percebem porque é pura matemática. Muitos homens chegam por indicação de namoradas e amigas, mas também vêm sozinhos através do Instagram. Os homens estão se abrindo muito mais.

GQ Brasil: E na vida amorosa?

Paulo Madjarof: Dá pra ajudar e a pessoa entender como ela lida com o emocional dela, ou seja, se ela está no momento propício para relacionamentos, para términos, tudo através da matemática do mapa numerológico.

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários