O cartola mais rico do mundo é da Índia. E você provavelmente nunca ouviu falar do time dele… – Notas – Glamurama

7

Mukesh Ambani (no centro) vibra durante partida disputada por seu time || Créditos: Reprodução

O cartola mais rico do mundo não é dono de um time de futebol famoso da Europa e muito menos de uma equipe campeã da NBA. Ele é o indiano Mukesh Ambani, que fez fortuna no setor petroleiro e comprou por US$ 100 milhões (R$ 407,7 milhões) em 2008 o time de críquete da Premier League da Índia Mumbai Indians. Ambani, de 61 anos, apareceu recentemente na primeira posição em um levantamento com os donos de times esportivos mais ricos do mundo. Sua fortuna é estimada US$ 47,7 bilhões (R$ 194,5 bilhões), bem mais do que a daquele que talvez seja o mais famoso representante da categoria: o russo Roman Abramovich, que é o maior acionista do inglês Chelsea.

No total, existem 62 bilionários em todo o mundo que possuem times dos mais variados esportes para chamarem de seus, algo que há tempos é visto como uma espécie de tendência entre os membros do clube dos dígitos. Em países como a Rússia de Abramovich, aliás, isso é tão importante quanto ter um mega-iate capaz de roubar a cena em Cannes ou um imóvel em endereços cobiçados do planeta, como a Quinta Avenida de Nova York ou a Eaton Square de Londres.

No caso de Ambani, que sempre foi fã de críquete, ele decidiu investir no Mumbai Indians por dois motivos. O primeiro, é claro, tem a ver com o fato de que o esporte é um dos mais populares entre os conterrâneos dele, o que representa uma boa oportunidade de negócio. Mas, acima de tudo, foi a realização de um sonho de alguém que uma dia até pensou em ser jogador porém não tinha o porte físico para tal. “Posso dizer que foi o meu melhor momento, algo que desde criança tive vontade de fazer e que acabei materializando”, o bilionário declarou recentemente. (Por Anderson Antunes)

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários