O homem do ano: Virgil Abloh – GQ

11

 

 

A primeira coisa que noto quando Virgil Abloh chega ao estúdio em Paris é seu tamanho. Ele é largo, alto e pesado, pelo menos 1,90m, e não tem nada daquela leveza discreta tão frequentemente encontrada no caminhar dos grandes designers de moda, e seu sorriso é caloroso. Quando pergunto como ele consegue manter a sensação de calma uma semana antes de seu desfile, ele diz: “Minha porta está sempre aberta. Não há hierarquia. Não fecho a porta levando as pessoas a pedirem permissão para entrar”.

Outra coisa que rapidamente descobri sobre Abloh é que não há um único momento em que seu cérebro não esteja trabalhando. E ele não consegue parar de se mexer. Assim que começamos, passamos a maior parte da entrevista em pé ou passeando pelo showroom, tocando em várias peças de roupa e pulando de tópicos como a velocidade do trem de bala para sua coleção inspirada pelo Mágico de Oz.

Mas quem é esse inquieto erudito da moda? E como ele, um ex-estudante de arquitetura de Rockford, Illinois, conseguiu emprego na maior marca de luxo do mundo? Criado em uma família de classe média, a educação de Abloh não foi extraordinária, porém, seus pais encorajaram sua criatividade desde cedo: sua mãe, em particular, que lhe ensinou os truques de seu ofício. Em 2003, Abloh graduou-se em engenharia civil, na Universidade de Wisconsin-Madison, antes de concluir uma especialização em arquitetura, no Instituto de Tecnologia de Illinois.

Virgil (Foto:  Christophe Meimoon)

Foi também nessa época que conheceu o amigo de longa data e colaborador, Kanye West. Em 2009, o caminho de Abloh no mundo da moda se abriu. Naquele ano, ele estagiou com “Yeezy” na Fendi e foi lá que chamou a atenção de Michael Burke, ex-CEO da marca e agora principal executivo da Louis Vuitton. “Virgil conseguiu criar um vocabulário novo para descrever algo tão old-school quanto a Fendi. Acompanho sua carreira desde então.”

Embora Abloh tenha criado a marca de streetwear que teve vida curta, Pyrex Vision, em 2012, foi com a fundação da Off-White, em 2013, que ele chamou a atenção. Suas coleções focadas em streetwear rapidamente fizeram dele um nome no circuito da moda. Suas roupas foram usadas por todos, de Kanye West e Kim Kardashian a Naomi Campbell e Drake. Em 2015, foi indicado ao LVMH Prize e, em 2017, recebeu o Urban Luxe Award, no British Fashion Awards. Prova de que a nomeação de Abloh na Louis Vuitton não deveria ser surpresa. “Eu aplaudo [o presidente e CEO da LVMH] o Sr. Arnaut e toda a família Louis Vuitton por me encorajarem”, diz Abloh, sinceramente. “Para mim, significa esperança de que o mundo evolua para um lugar mais diversificado.”

Virgil (Foto:  Christophe Meimoon)

A pressão sobre Abloh para expandir as pesadas margens de lucro obtidas por seu antecessor, Kim Jones, será alta. Muitos designers desabam sob essa tensão – e, já que Abloh planeja continuar com as coleções da Off-White, pretende continuar a ser DJ sob o codinome de Flat White, e está avançando com uma grande exposição-retrospectiva de sua trajetória, ele vai ter muito trabalho pela frente. “Estou tentando representar uma geração.”
Uma semana depois de conhecer Abloh em Paris, estou de volta à Cidade Luz para seu desfile inaugural na Louis Vuitton. Dominando todo o jardim do Palais-Royal, a passarela é um arco-íris misturando laranja, amarelo, verde ácido e branco.

O clima é otimista, enérgico e excitante. Naomi Campbell, Kim Kardashian e Rihanna estão na plateia e a trilha sonora foi criada pelo novo diretor musical da Louis Vuitton, Benji B. Uma das faixas que explodem na passarela é de Kanye West, que também está presente. A primeira coisa a se notar sobre o desfile é que os primeiros 17 modelos que entram na passarela são negros. Essa é uma escolha forte, especialmente porque está sendo feita por uma das marcas mais influentes do mundo.

Photo © 2018 Splash News/The Grosby GroupKim Kardashian and Kanye West attend the Louis Vuitton Menswear Spring/Summer 2019 show as part of Paris Fashion Week, France.Pictured: (L-R) Travis Scott,Kylie Jenner,Kim Kardashian,Kanye West and Virgil Abloh (Foto: Splash News/The Grosby Group)

A segunda coisa a se notar é que muitos dos modelos são “pessoas reais”. Há o músico A$AP Nast, o artista Blondey McCoy, o rapper Kid Cudi e o skatista Lucien Clarke, entre outros. Ele incorpora a diversidade de tal forma que, a partir de agora, será embaraçoso para outras marcas não seguirem o exemplo. “Estou usando os modelos como pessoas, não apenas corpos para fazerem minhas roupas parecerem boas. São todos artistas e amigos.” Ele continua: “Agora posso mudar a indústria. Então devo fazer isso. Não é segredo: somos designers, podemos começar uma tendência, podemos destacar questões, podemos fazer um monte de gente se concentrar em algo.”

+ Coleção de Virgil Abloh para a Louis Vuitton cheira a hit estrondoso
+ Virgil Abloh Vs. Kim Jones. Quem ganhou?
+ Desbravador cool, Kim Jones recebe prêmio de pioneirismo da British Fashion Council

As roupas também correspondem às expectativas. O visual de abertura – um casaco double breasted de mohair branco usado com calças de pregas duplas, um cinto de cerâmica com as iniciais LV, e um amplo guarda-tudo branco de couro com estampa de crocodilo – define o tom do que está por vir. Então, há as peças inspiradas no Mágico de Oz. Há um capuz anorak de náilon e uma jaqueta bordada à mão com uma imagem de Judy Garland, como Dorothy, dormindo em um campo de papoulas. Há também um jumper jacquard de gola roxa estampado com silhuetas de Dorothy, O Homem de Lata, O Leão Covarde e O Espantalho, andando de braços dados pela estrada de pedras amarelas – uma estrada espelhada na passarela de Abloh.

Virgil acha que, por meio de sua nomeação na Louis Vuitton, ele alcançou sua própria Oz pessoal? “Sabe, esse filme é sobre deslocamento e isso é figurativo de todo este novo mundo [em que estou]”, diz ele pensativo. “Então, o contexto da coleção é baseado em um prisma. É daí que a iridescência em peças como a bolsa transparente vem – a luz entrando e [refratando] em todo o espectro da Louis Vuitton. Então você acaba em O Mágico de Oz.” Ele continua: “Com isso, a explosão de cores e o tie-dye no desfile. Tudo faz sentido.”
Abloh sorri e diz: “Então, eu tenho que ir…”; Esta é uma frase que já ouvi Abloh usar – o homem mais ocupado e, em breve, o mais requisitado do mundo da moda está saindo para planejar a música anteriormente mencionada para o desfile, e, espero, para desfrutar um delicioso almoço de equipe… Se há tempo para comer na agenda de Virgil Abloh? Não estou totalmente convencido.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários