Obras de Fabio Benetti abordam o ódio e o terror da sociedade. “Vivemos em um colapso de julgamento sem precisar julgar” – GQ

5

O ex-advogado tributarista e artista plástico Fabio Benetti descontruiu estrutura de grande proporção e criou novas obras unindo partes destes escombros com materiais descartados e recolhidos no bairro do Bom Retiro, em São Paulo.

+ 7 ícones da arte para seguir no Instagram

+ Apaixonados por arquitetura e arte precisam conhecer essa casa

+ Nova função do Google faz de suas selfies obras de arte

A série ganhou o nome de Purgatório e fala do lixo emocional depositado no inconsciente coletivo. “Partindo do princípio que a arte é consequência e um viés da catarse humana como representatividade ou manifestação dos sentimentos que um ser materializa a uma sociedade. Independente da forma, penso que a finalidade da arte é a comunicação com o todo”, diz o criador em bate-papo com a GQ Brasil.

+ Exposição “Trinca” reúne três artistas que são a cara de São Paulo

Sobre a mostra, ele explica: “Purgatório não está ligada a qualquer tipo de religião, e sim, esta intrínseca ao ódio e terror que a sociedade contemporânea vive em relação ao respeito a liberdade de pensamento. Vivemos em um colapso de julgamento sem precisar julgar”.

Mentes Corrompidas, de Fabio Benetti (Foto: Divulgação)

A exposição, que abre nesta quinta-feira na Galeria Tribo, tem a curadoria de Rogério M. Martins. “Benetti é um sobrevivente que chegou muito perto da morte duas vezes. Suas experiências trágicas, sem dúvida, o influenciaram e o inspiraram em sua nova fase. Ele coloca para fora todas as suas angústias em uma evidente inquietação perante a vida e ao momento histórico atual”, comenta o curador.

Purgatório de Fabio Benetti
Galeria Tribo 
De 29/11/18 a 04/02/19 
 

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários