Os novos bares, restaurantes – e até hostel – que estão transformando o Baixo Pinheiros – GQ

4

São Paulo é conhecida por acolher pedaços do mundo em uma única metrópole. Talvez a diversão de morar na maior cidade da América Latina seja exatamente essa: ter o mundo aos seus pés. Repleta de bairros temáticos, a capital paulista anda cada vez mais efervescente e o bairro de Pinheiros é a bola da vez, oferecendo experimentos gastronômicos e culturais que só se encaixariam por ali.

Se reinventando quase que diariamente, a área apelidada de Baixo Pinheiros acaba de ganhar um novo sopro de energia – desta vez culpa de quatro estabelecimentos específicos – o hostel CityLights, Mr. Poke, Kingston Club e Botanikafé. Os responsáveis são amigos de longa data e que, juntos, resolveram colocar a mão na massa para fazer aquele pedaço decolar – literalmente!

Os irmãos Cassiano e Nina Bonjardim, norte-americanos filhos de brasileiros, são sócios do hostel; Felipe Scarpa trouxe o Mr. Poke para a cidade após temporada de dois anos entre Austrália e Havaí – é dele também o Botanikafé, que surgiu depois de visitar a namorada, a arquiteta Manu Albuquerque, em Barcelona. Para completar, Lucas ‘Flores’ Lima, Maria Fernanda Alves e o artista Tiago Tebet também são sócios do Kingston Club. Para a chef Renata Vanzetto, mulher de Cassiano, essa nova forma de se agrupar é o futuro. “Esses combos são uma supertendência”, conta ela, que detém um hotspot para chamar de seu na Rua Bela Cintra, nos Jardins, onde é possível, a poucos passos, comer em três estabelecimentos – o restaurante EMA, MeGusta e Matilda Lanches. “Se agrupar acaba virando um destino. Dá para tomar um drinque em um e curtir a noite em outro.
É um programão!”, analisa ela que já se aventurou nas concorridas noites de concurso de dança no CityLights.

+ Conheça os 11 chefs mais promissores do Brasil
+ 10 restaurantes para apreciar no aniversário de São Paulo

“O que está acontecendo hoje em Pinheiros é muito fruto de quem mora por aqui. Estamos no bairro há sete anos, quando o CityLights era apenas um hostel. Na época, eu não morava no bairro, mas já era apaixonado pela vida noturna daqui”, conta Felipe Scarpa, que além de sócio do hostel, viu o carrinho de tuk-tuk do Mr. Poke que ficava parado na frente do CityLights ganhar endereço próprio. “A Rua dos Pinheiros começou com isso e agora está se estendendo para lá e acredito que o CityLights foi um pioneiro. Quando converso com meus sócios em abrir algo novo, pensamos naquela região de baixo Pinheiros. Hoje em dia é o lugar mais legal para ir”, decreta Renata.

E para quem acha que o céu, ou melhor, Pinheiros, é o limite, se engana. A região central da cidade já está na mira do grupo. “O centro é um dos lugares mais cool de São Paulo”, entrega Felipe, que se prepara para expandir a loja do Botanikafé em Pinheiros, além de abrir uma segunda unidade até março de 2019 – possivelmente na região central.

bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)
bar (Foto: Victor Balde/)

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários