Para Diageo, Gin continua sendo um bom negócio no Brasil – GQ

9

Prepare um drink e sua melhor expressão de surpresa: o gin continua configurando um dos destilados mais bem sucedidos no Brasil. O último sinal é o desempenho trimestral da Diageo, que entre outras informações interessantes, aponta: a marca Tanqueray teve crescimento de três dígitos no último semestre do ano passado, se consolidando como líder de mercado no Brasil. Na América Latina e Caribe, por sinal, o grupo alcançou aumento de 9% em vendas líquidas orgânicas em todas suas marcas – a região ficou apenas atrás da Ásia-Pacífico no mapa de crescimento do conglomerado.

“A coquetelaria vem se desenvolvendo no Brasil e está diretamente ligada ao novo estilo de vida do brasileiro, que começou a apreciar drinks e experimentar novas misturas e sabores”, diz Gregório Gutierrez, presidente da Diageo para a região PUB (Paraguai,Uruguai e Brasil), em comunicado. “O gin entra neste contexto por sua versatilidade e por ser uma das bases da mixologia”.

O gin segue sendo tendência entre bares, principalmente paulistanos e cariocas, e não, ainda não há no radar um drinque que supere a popularidade do gin tônica. Fato. Mas se você considerar comportamento de busca, saca só:

O crescimento do gin entre bebedores brasileiros é fenômeno já bem documentado – inclusive por nós – mas o destilado ainda esteve atrás do uísque na preferência dos internautas durante o período muito essencial do fim do ano. Quando o assunto é interesse nas redes, o gin compete mais próximo com a vodka; considerando uma bebida que até há alguns anos era coisa de ‘poeta maldito’, essa não é má performance.

+ Os 9 melhores gins brasileiros, ranqueados
+ Com prêmios no exterior, Brasil vai se tornando país do gin
+ Conheça o barão brasileiro do gim

No mais, a Diageo, dona de labels como a Johnnie Walker, Ypióca, Smirnoff, obteve um crescimento de vendas de 7,5% no período, totalizaram 6,9 bilhões de libras. O lucro operacional, de 2,4 bilhões de libras, é o melhor resultado do grupo em sete semestres.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários