Paraty (RJ) recebe 2ª etapa de SwimRun e Alexandre Birman dá dicas para sucesso na prova – GQ

10

(Foto: Acervo pessoal)

Paraty, no Rio de Janeiro, foi escolhida como sede da 2ª etapa do Circuito SRB SwimRun Brasil. O esporte, em 2006 na Suécia, chegou ao país apenas esse ano, com a 1ª etapa realizada em Búzios, também no Rio. Na prova, atletas partem do Saco do Mamanguá, alternando em trechos de corrida e natação por todo o litoral da região, até a linha de chegada, em Paraty Mirim. Dentre os atletas, um nome conhecido: o empresário Alexandre Birman. O CEO da Arezzo & Co é habitué de esportes de alta performance desde 2012. Imprimindo fisicamente a ideologia de força pessoal – sua marca também nos negócios – o business man falou com exclusividade à GQ sobre sua afinidade com o esporte, sobre a chegada do SwimRun ao Brasil e deu suas dicas para obter sucesso nas provas.

GQ Brasil: Apesar de não ser uma novidade, não deixa de ser curiosa sua participação nesse mundo. Como surgiu o interesse?
Alexandre Birman: Pratico natação desde criança, disputei vários campeonatos brasileiros pelo Minas Tênis Clube e sempre gostei de cuidar da saúde, de estar em movimento. Já adulto, me interessei por esportes de alta performance e veio o IronMan – em que, aliás, meu melhor desempenho é na água (no IronMan World Championship em Kona, por exemplo, fui o segundo competidor a sair do mar!). Já o interesse pela corrida veio com intensidade no preparo para a minha primeira maratona.

GQ Brasil: Quais são as provas que disputa?
Alexandre Birman: Atualmente, faço meios IronMan, IronMan, maratonas e, pela primeira vez, a SwimRun.

+ Alexandre Birman vence o Men of the Year

GQ Brasil: Por que escolheu a SwimRun para representar, especificamente?
Alexandre Birman: Sei que este tipo de competição existe bastante na Europa, e noto que a principal diferença em comparação a outros eventos esportivos é o contato com a natureza, os cenários impactantes de que passamos a fazer parte durante a prova. Outro diferencial da SwimRun é o desafio da quantidade de transições entre natação e corrida, e a imprevisibilidade do percurso, que requer uma adaptação muito grande do corpo e da mente. Estou, definitivamente, bastante animado!

(Foto: Acervo pessoal)

GQ Brasil: Você sempre teve habilidade como atleta ou foi algo que desenvolveu?
Alexandre Birman: Sempre tive aptidão para os esportes, mas nunca fui bom de jogar bola, então fui nadar, pedalar e correr (risos).

GQ Brasil: Quando disputou sua primeira prova? Como foi a experiência?
Alexandre Birman: Em 2012 fiz meu primeiro IronMan 70.3, no Panamá. Na bike, me acidentei, fiquei com vários machucados, mas mesmo assim fui até o final. Foi uma experiência importante, um marco de resiliência e ‘mental toughness’.

GQ Brasil: Você diria que sua experiência como empresário lhe ajudou na entrada nesse universo? Como?
Alexandre Birman: Certamente. Muitos valores são compartilhados nos negócios e na prática esportiva, como a dedicação, a disciplina, o foco e a busca pelo atingimento das metas. Trabalho e esporte são complementares e geram um importante equilíbrio para a saúde física e mental.

GQ Brasil: Com relação aos calçados, você é um especialista. Queria saber de você quais as três principais características de um bom calçado para o SwimRun – e por quê?
Alexandre Birman: Gostei da pergunta! Bem, seria importante que fosse feito de um material que não encharcasse, com tratamento impermeável, porque a passada ficaria leve na transição da natação para a corrida; O pouco que molhasse deveria secar rápido, para evitar o atrito do material úmido com a pele – o que poderia gerar lesões; Seria fundamental, ainda, que o solado tivesse uma textura aderente, pois isso aumentaria a estabilidade na corrida – como os modelos da marca Hoka, por exemplo.

GQ Brasil: Qual (ou quais) calçados você usa para as disputas hoje?
Alexandre Birman: Esta será a minha primeira prova de SwimRun, mas considero a marca Hoka como a melhor, por conta da textura do solado.

GQ Brasil: Você pode dar três dicas para alguém que quer entrar nesse universo?
Alexandre Birman: Primeiramente, ter vontade, porque não é nada fácil; depois, buscar um bom treinador, que seja excelente tecnicamente e que te inspire a evoluir sempre; e ‘last, but not least’, treinar muito e sempre!

GQ Brasil: Você vai disputar a SwimRun Brasil? Qual a expectativa?
Alexandre Birman: Sim, em 6 de julho, e estou bastante animado! A expectativa é aprender com uma nova experiência, superar alguns limites e me conectar com a natureza, tendo o Saco do Mamanguá, em Paraty, como palco.

(Foto: Acervo pessoal)

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários