Pesquisa revela: cigarro e álcool diminuem a qualidade do sêmen – GQ

7

A qualidade do sêmen tem diminuído ao longo do tempo em todo o mundo. Esse declínio é provavelmente multifatorial e diversos fatores do estilo de vida têm sido apontados por influenciar positiva e negativamente a função reprodutiva masculina.

Sabe-se que a fertilização e o desenvolvimento do embrião são influenciados por fatores derivados do espermatozoide, e, portanto, a qualidade de vida dos futuros pais pode afetar os resultados dos tratamentos da reprodução assistida, como a inseminação intrauterina e a fertilização in vitro.

Pesquisadores do Fertility Medical Group, coordenados pelo Dr. Edson Borges Jr., acabaram de divulgar os resultados de um estudo que contou com a participação de 965 pacientes, com idade média de 38 anos, que realizaram ciclos de fertilização in vitro entre outubro de 2015 e dezembro de 2016.

Anteriormente ao inicio do tratamento, os pacientes realizaram análise seminal completa e responderam a um questionário contendo informações sobre estilo de vida, incluindo perguntas sobre o consumo diário de cigarro, a ingestão semanal de bebidas alcoólicas, a frequência de exercícios físicos nos últimos três meses, o uso de medicamentos nos últimos três meses e a exposição a agentes potencialmente danosos em seus ambientes de trabalho, como radiação ou pesticidas.

A pesquisa mostrou que os pacientes fumantes, que representavam 16% do total, apresentaram volume seminal reduzido, menor contagem de espermatozoides e maior taxa de espermatozoides com DNA fragmentado, sendo esta última uma medida da qualidade do espermatozoide, considerando que quanto maior a taxa de fragmentação de DNA pior é a qualidade seminal. Sabe-se que substâncias presentes no cigarro, como tabaco, cádmio, chumbo, nicotina e cotinina, podem causar danos no DNA e afetar a função hormonal masculina, impactando diretamente na fertilidade e na função reprodutiva.

+ Você já pensou em doar sêmen? Saiba tudo sobre o procedimento
+ Vasectomia: o número de cirurgias cresceu 300% no Brasil

Participantes que relataram a ingestão de álcool, representando 17,3% do total de pacientes estudados, também exibiram menor volume seminal, menor contagem de espermatozoides, espermatozoides com motilidade e morfologia reduzidas, além de maior porcentagem de espermatozoides com DNA fragmentado. Efeitos adversos no metabolismo da testosterona e na produção dos espermatozoides têm sido propostos como mecanismos por meio dos quais o consumo de álcool compromete a qualidade do sêmen.

Neste mesmo estudo, os ciclos de fertilização in vitro em que os pais relataram consumo de cigarro e/ou álcool apresentaram menores taxas de fertilização, o que leva a produção de menor número de embriões, juntamente com alterações no desenvolvimento desses embriões, resultando em embriões de pior qualidade.

“Nossas ações e escolhas impactam diretamente na nossa qualidade de vida. Para os homens que desejam serem pais, os vícios citados em nosso estudo são maléficos e podem afetar a fertilidade. As análises nos mostram que a redução na qualidade do sêmen tem relação direta com o sucesso do tratamento de reprodução assistida”, ressalta Dr. Edson Borges Jr., diretor científico do Fertility Medical Group, e coordenador da Pós-graduação em Reprodução Humana Assistida da Associação Instituto Sapientiae.

Os resultados deste estudo foram apresentados em Julho no Congresso da ESHRE 2018, na Espanha, e publicados na revista científica Andrologia, de impacto internacional.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários