Pesquisadores trabalham em vacina contra a acne – GQ

2

Que a acne atinge quase todos os adolescentes, para ser específico 90% deles, é fácil constatar. Mas você sabia que metade da população adulta sofre com acne? A acne é um dos problemas de pele mais comuns, causada por diversos fatores, como herança genética, alterações hormonais ou até mesmo pelo excesso de gordura nos alimentos. Apesar de existirem uma série de tratamentos paliativos – aqueles que aliviam os sintomas – não existe cura definitiva para a acne. Basicamente pelo fato de os cientistas não saberem qual a causa exata. Apesar de poder ser tratada e curada, a acne exige cuidados constantes para evitar o risco de remissão. Mas, com o avanço da tecnologia e das pesquisas, novas maneiras de encarar o problema estão surgindo. Por exemplo, um grupo de cientistas da Universidade da Califórnia, em San Diego, está trabalhando em uma vacina capaz de erradicar de vez a acne.
Porém, segundo a dermatologista Dra. Valéria Marcondes, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e da American Academy of Dermatology (AAD), criar uma vacina para a acne não é tão simples quanto parece. “O problema é que a acne é causada, em partes, pelas bactérias P. acnes, microrganismos que fazem parte da microbiota da nossa pele e estão conosco durante toda nossa vida. Dessa forma, não é possível criar uma vacina para esta bactéria, pois, apesar de alguns grupos de microrganismos promoverem a inflamação, eliminá-la completamente não tratará a acne e ainda poderá interferir no microbioma saudável do nosso corpo. Além disso, existem mais de 100 subtipos deste microrganismo, o que torna ainda mais difícil atingir apenas os causadores da acne”, explica.

+ Saiba quais são os 3 tipos mais comuns de alergias de pele e como tratá-las

+ FPS, UVA, UVB, imunoproteção oral: você sabe comprar filtro solar?

+ Saiba identificar os tipos de manchas de pele e entenda o que cada uma pode significar

A solução dos pesquisadores para o problema foi então criar uma vacina capaz de atingir apenas o mensageiro inflamatório que estas bactérias produzem e não a bactéria em si. Para isso, o grupo encontrou um anticorpo que combate a proteína tóxica que as P. acnes secretam na pele e que está associada a inflamação que leva à acne. Em resultados publicados recentemente no Journal of Investigative Dermatology, a equipe de pesquisadores divulgou os resultados de seus primeiros estudos sobre a vacina, que até agora foi testada em camundongos e em células da pele de pacientes com acne. “Os ratos, que foram usados para testar a eficácia da vacina como prevenção para acne, tiveram um antígeno injetado em seu organismo capaz de atacar a P. acnes e acabaram produzindo anticorpos contra as bactérias causadoras da acne. Já no teste com as células da pele de pacientes que sofrem com o problema, que foram usadas para testar a eficácia da vacina como cura para pacientes que já tem acne, os cientistas observaram redução acentuada na inflamação presente nas amostras”, afirma a dermatologista.
Agora os pesquisadores estão se preparando para um ensaio clínico da vacina em seres humanos e estão esperançosos que a terapia seja bem-sucedida. “Embora os resultados sejam promissores, ainda estamos longe de ver uma vacina contra a acne chegar no mercado. Além disso, espera-se que nas próximas pesquisas não sejam realizados testes em animais, pois até que resultados positivos sejam vistos em humanos, o destino desse tratamento continuará desconhecido”, diz a Dra. Valéria Marcondes.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários