‘Quero quebrar esse paradigma de que no começo a mãe faz tudo’, diz Mateus Verdelho sobre ser pai – GQ

18

O “menino” Mateus Verdelho de tempos atrás, que fazia sucesso nas passarelas com seu corpo perfeito e pele tatuada, agora é pai de primeira viagem ao lado de Shantal Abreu. O modelo e a influenciadora ganharam Filippo há três meses e ele, que também virou influencer, conta como é nova rotina de pai.

“Ser pai é tentar ser o cara mais foda para o filho, a minha esposa, a família e para os meus amigos. Ser pai é ser um exemplo de homem, o mais próximo da perfeição possível”, diz Mateus.

Veja como foi nosso papo sobre paternidade, a gravidez de risco que quase levou o casal à fila de adoção e o que, para ele, é a verdadeira função do homem na criação dos filhos.

+
+ Homens sofrem de depressão pós-parto, diz estudo
+ Ofertas Amazon: conheça a loja Bebês com tudo o que você precisa

Gravidez de risco e adoção em segundo plano

“A Shantal me deu de presente de aniversário a cartela de anticoncepcional, o que significava que ela queria tentar. Na primeira tentativa ela teve uma gravidez ectópica, quando o embrião se desenvolve nas trompas. Como é muito ariscado, foi preciso fazer uma cirurgia para retira-lo. Depois disso ela ficou com medo e pensamos até em adotar, mas a nova gestação aconteceu do nada. Foi uma gravidez que necessitou alguns cuidados: ela foi diagnosticada com trombofilia, que é algo comum, mas precisa ser tratado. Foi uma fase difícil, mas conseguimos lidar de uma forma leve e tranquila. O Filippo foi uma bênção.”

Novos paradigmas

“Nossa rotina é tranquila, pois temos horários bem flexíveis com os trabalhos e conseguimos dar muita atenção ao Filippo. Não houve nenhuma divisão, foi tudo muito natural. No começo, como a Shan amamentava, eu queria poupá-la o máximo possível, então fazia tudo que podia para ela poder descansar, produzir leite e se recuperar da cesárea. Eu dormia no quarto do neném e, quando ele acordada, levava pra ela amamentar, depois o pegava para arrotar e colocar pra dormir de novo. Fazemos assim até hoje. A parte da noite é minha: banho, trocar, colocar para arrotar e dormir. Mas estamos fazendo tudo juntos, com muito amor. Quero quebrar esse paradigma de que no começo a mãe faz tudo. O pai tem que participar porque é a função dele também. A Shan é empresária e eu também, então conseguimos revezar caso algum de nós tenha evento ou reunião.”

Mateus Verdelho e Shantal com Filippo, ainda na maternidade (Foto: Divulgação)

Pai em tempo real

“Eu compartilho quase tudo. No começo compartilhava mais, mas como é algo bem cansativo, agora quando ele dorme nós tentamos dormir junto. Eu nasci pra ser pai, é algo que sinto dentro de mim, e quero mostrar pra todo mundo. Mostrar que não é só a mulher que tem que cuidar do neném. Nós fomos criados em uma sociedade machista, e tanto os homens quanto as mulheres têm na mente que os cuidados do bebê são restritos à mãe, o que é um grande equívoco. Claro que a mãe desempenha o papel mais importante, que é o de amamentar, mas todo resto podemos e devemos fazer. Até mesmo amamentar o pai pode ajudar. Eu amamentei o Pippo por meio de uma sonda no meu dedo, com orientação profissional, e pude sentir exatamente na pele o movimento da boquinha, da língua, a sensação deliciosa de alimentar meu filho. Todos os pais deveriam cuidar dos filhos e mostrar que fazem isso. O pai não tem que ‘ajudar’ porra nenhuma, é obrigação do pai cuidar. E sempre vou compartilhar isso.”

Moda, diversidade e empatia

“Cresci no interior, em Ribeirão Preto, então não cresci com diversidade. Isso entrou na minha vida quando vim para São Paulo, quando entrei de fato no mundo da moda. Mas tinha uma coisa dentro de mim, que meus pais me ensinaram, que era respeitar o próximo independentemente de qualquer coisa, sem se preocupar com qualquer orientação, seja sexual, religiosa etc. O que eu pretendo ensinar para o meu filho é isso: o respeito. Vai aprender isso naturalmente: respeitar e admirar as diversidades.”

Egoísmo em baixa

“Antes eu me preocupava com a Shan, claro, nossos trabalhos, nossa vida a dois e nossas questões individuais, mas ainda carregava aquela individualidade. Depois que o Pippo nasceu, não sei nem explicar: muda uma coisa. Antes saía de casa e não me preocupava se um compromisso ia demorar. Agora não quero chegar depois das 18h porque 18h30 dou banho nele e começamos o ritual da noite.”

Mateus Verdelho amamentando Filippo (Foto: Reprodução/Instagram)

Meninos vestem azul, meninas vestem rosa?

“Eu uso rosa, azul e a cor que dá vontade. Com Filippo vai ser assim também. Isso de homens vestem uma cor e mulheres outra não existe.”

O novo trabalho 

“Tenho trabalhado muito como digital influencer, o que não deixa de ser a evolução do trabalho em agência de modelo. É a nova forma de representar as marcas. Hoje estou à frente de dois projetos: Hollywoodogz, minha marca como DJ junto com Nedu Lopes; e a MV, que é minha marca pessoal, onde assino coleções em conjunto com outras marcas. Da minha assinatura pessoal também surgiu a MV On The Road, aliando com meu hobby de andar de moto. Nesse projeto faço viagens com meu pai e amigos, associado com marcas deste universo. Passamos por lugares paradisíacos e sempre com o objetivo e destino final de contribuir com ONGs e Instituições Carentes.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários