R7 >> Vencedora do Miss Brasil quer usar título como arma contra o racismo – R7 Meu Estilo

7


Uma semana após vencer o Miss Brasil, Monalysa Alcântara ainda não conseguiu assimilar que foi eleita a mulher mais bonita do País. Ela é a primeira piauiense e a terceira mulher negra da história a receber o título do concurso — Deise Nunes, em 1986, e Raissa Santana, no ano passado, completam a lista.


Ao receber a coroa, a estudante de administração de empresas foi às lágrimas ao ver que a sociedade “passou a dar mais espaço para as mulheres com cabelos cacheados”.


— Foi emocionante e indescritível. Eu realmente sonhei com aquilo e foi o momento mais feliz da minha vida, eu não tenho nem palavras para descrever o sentimento. Acredito que estão enxergando a mulher negra como ela sempre deve ser vista: que tem sua beleza, personalidade e luta. Por muito tempo fomos marginalizadas e vistas como feias e solitárias, mas hoje isso está mudando. 


Após a vitória na competição, Monalysa foi vítima de comentários preconceituosos na internet. De acordo com o CPB (Código Penal Brasileiro), o crime de injúria racial, pelo qual se ofende a dignidade ou o decoro de uma pessoa com base em elementos de raça, cor ou etnia, rende pena de reclusão de um a três anos, além de multa. A Miss pretende usar o destaque que ganhou na mídia para apoiar causas ligadas ao combate contra a discriminação. 


— Já tinha sofrido antes [ataques racistas] e aprendi a não me deixar abalar e enxergar que somos todos iguais. A primeira vez foi chocante, mas superei porque sei que isso não é honesto e nem humano. Eu lamento que isso aconteceu, mas realmente eu já esperava. Tanta coisa boa acontecendo na minha vida, nenhum desses ataques vai me tirar dessa paz e felicidade. Estou fazendo história não só no Brasil, mas no meu Piauí. E todos esses ataques mostram que o racismo existe e eu estou aqui para lutar e dar voz contra ele.


O caminho profissional trilhado por ela não foi fácil. Além deste concurso, ela carrega na bagagem os títulos de Miss Teen Piauí e vice Miss Teen Brasil (ambos em 2016). Certa de que alçará voos mais altos, a piauiense está confiante para disputar o Miss Universo.


— Sempre acreditei no meu potencial, mesmo muitas vezes o mundo dizendo o contrário. Eu vou lutar, vou me preparar e vou representar muito bem meu País. Estou disposta e determinada.


Monalysa é muito mais do que seus 57 kg, 1,77 m de altura, 69 cm de cintura, 95 cm de quadril e 87 cm de busto. Ela espera servir de espelho para as mulheres “acreditarem mais em si e buscarem seus sonhos”.


— Quero ser exemplo e mostrar que realmente não devemos nos deixar contaminar com a energia ruim, preconceituosa e mesquinha. Infelizmente o racismo existe, sim, ele não é velado, e precisamos combater. Todo esse ataque que eu sofri, por exemplo, só prova que essa luta deve e merece ser reconhecida e falada: não só por mim, mas por todo o Brasil. Quando sabemos quem somos de verdade, os obstáculos são mais fáceis de serem superados. Posso inspirar outras pessoas a não abaixar a cabeça e a entender que o racismo é um erro.



Fonte Oficial: http://meuestilo.r7.com/vencedora-do-miss-brasil-quer-usar-titulo-como-arma-contra-o-racismo-30082017.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários