Radar GQ: o que fazer no fim de semana de 6 a 8 de setembro – GQ

17

O que ver?

Horror na tela

Pennywise está de volta a Derry, Maine. Bill Skarsgard assume a feição do palhaço sobrenatural criado por Stephen King para a segunda – e mais assustadora – parte da adaptação de It – A Coisa para o cinema. Dessa vez a história de passa 27 anos depois do primeiro longa, quando uma nova onda de desaparecimentos volta a assustar a (não tão) pacata cidade. Agora adultos, os protagonistas do primeiro filme estão espalhados, mas são chamados de volta por um deles, Mike Hanlon (Isaiah Mustafa), o único sobrevivente do Clude dos Perdedores que ficou na terra natal. Juntos, eles devem achar uma forma de eliminar o palhaço que se alimenta do medo de uma vez por todas. A adaptação, de impressionantes 169 minutos, tem recebido críticas diversas, mas é um convite a experimentar o medo com clima retrô, uma garantia quase onipresente nas releituras de King.

+ Você precisa conhecer: Jorja Smith
+ “Quando comecei, não se falava em diversidade”, diz Almodóvar em Veneza
+ Ai Weiwei faz apelo por Hong Kong em discurso no Men of The Year britânico

Prism, de Elle Reid


Prism, de Ellen Reid, está em cartaz mo Municipal (Foto: Divulgação/Theatro Municipal de São Paulo)

Prepare-se para assistir a um dos espetáculos mais modernos já encenados no palco do Theatro Municipal de São Paulo; e em formato de ópera. Prism, ópera contemporânea norte-americana, rendeu à jovem compositora Ellen Reid, de 32 anos, o prêmio Pulitzer de música neste ano. O enredo da libretista Roxie Perkins trata da relação entre mãe e filha – a mezzo soprano Rebecca Jo Loeb e a soprano Anna Schubert, do elenco original – a partir de um trauma gerado por violência sexual. Com a orquestra Sinfônica Municipal de São Paulo, sob direção e regência de Roberto Minczuk, o espetáculo ainda conta com o coral paulistano e tem direção de James Darrah. Imperdível.

Dias 07, 08, 10, 11, 13 e 14/09
Ingressos no site do Theatro Municipal de São Paulo

O que ouvir

Colaboração de peso

Post Malone lança seu novo álbum, que traz uma série de parcerias com artistas renomados. Hollywood’s Bleeding conta com 17 faixas e participações de Ozzy Osbourne e Travis Scott. Saiba mais

O que comer?


Tsuyoshi Murakami (Foto: Divulgação/GQ)

“Eu curo as pessoas, meus concorrentes são a indústria farmacêutica e os psiquiatras e psicanalistas “, diz o chef Tsuyoshi Murakami, que está com restaurante novo nos Jardins, SP. O lugar acomoda 12 pessoas por vez no balcão e conta com menu degustação elaborado a partir dos ingredientes do dia. Leia mais

O que fazer no Rio?

Festival Harmonia

Mart’Nália, Paulinho Moska e chefs como Fréderic Monnier e Felipe Harfield são alguns dos destaques do Festival Harmonia, que acontece durante todo o fim de semana da Independência no Parque das Figueiras, na Lagoa. O evento gratuito terá programação variada, com experiências que vão do ioga até workshops de arte. Nas estações de comida, destaques para as versões pocket da churrascaria Fogo de Chão,  Seu Vidal Sanduicheira e do peruano Moray.

Festival Harmonia
Quando? Dias 7 e 8 de setembro, das 11h às 22h
Onde? Parque das Figueiras. Av Borges de Medeiros, 1426. Lagoa

O que fazer em São Paulo?


Duda beat veste Louis Vuitton (Foto: Franco Amendola)

O Memorial da América Latina vira palco para nomes como Ney Matogrosso, Elba Ramalho e BaianaSystem. É o Coala Festival, evento conhecido pela mistura de artistas veteranos a novas apostas da música brasileira. De um lado, Duda Beat, Djonga e Josyara; de outro, Elba Ramalho, Mariana Aydar e Maria Gadú. Ao todo são mais de 20 nomes divididos entre sábado e domingo, com uma programação que se estende das 11h às 22h.

Coala Festival
Quando? Dias 7 e 8 de setembro, à partir das 11h
Onde? Memorial da América Latina. Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664 – Barra Funda

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários