Radar GQ: O que fazer no final de semana de 18 a 20/01 – GQ

9

Na era Netflix, o que não falta é opção. Para o filósofo Barry Schwartz, dono do livro “O Paradoxo da Escolha”, a liberdade de escolha não nos tornou mais livres, mas mais paralisados, não mais felizes, mas mais insatisfeitos. Considerando que levamos horas para escolher um filme na Netflix, ele tem um ponto. Pensando nisso, estreamos a coluna #RadarGQ, o seu guia semanal do que ver, ler, ouvir e fazer nos finais de semana. Uma ótima seleção feita pela GQ ou por nossos convidados especiais de diversos setores. Vamos lá?

O QUE VER

– O Paradoxo da Escolha

Nada mais justo que começarmos com um TED de Barry Schwartz falando justamente sobre a ilusão da liberdade de escolha e sobre quanto mais opções você tem, mais energia precisa investir para tomar decisões.

 

– Vidro (2018), de M. Night Shyamalan

Com “Vidro”, Shyamalan junta as tramas de “Fragmentado” (2017) e “Corpo Fechado” (2001), lançando seu próprio universo de super-heróis. O diretor propõe uma visão mais realista: superpoderes a partir do aperfeiçoamento de características humanas despertadas com gatilhos psicológicos. Já está nos cinemas.

Contamos 5 detalhes para prestar atenção no filme. Veja antes de assistí-lo!

O QUE LER

– 21 lições para o século 21

Autor de “Sapiens” e “Homo Deus”, Yuval Noah Harari conclui sua trilogia com “21 lições para o século 21”. Se no primeiro, ele mostrou de onde viemos; no segundo para onde vamos, no terceiro explora o presente e os assuntos urgentes da vida contemporânea. Vale cada palavra!

Para mais indicações de leituras, aqui estão 7 livros para repensar a sociedade contemporânea.

O QUE OUVIR

– “Bluesman”, Baco Exu do Blues

A versatilidade do streaming e o momento atual da música possibilitam criar novos formatos para álbuns. Se antes existia uma quantidade média de faixas para cada disco, forçando a criatividade dos artistas, hoje o que manda é a história. Este é o caso do mais recente álbum do baiano Baco Exu do Blues. Porrada em forma de 9 músicas, narrativa direta, contada em 30 minutos, sobre amor, depressão, música e o que significa ser negro no Brasil atual. Não precisa de mais, a mensagem transcende para a alma e o coração.

Ouça no YouTube Music!

Quer ter mais opções para ouvir no final de semana? Veja nossa lista com 20 discos históricos que fazem 50 anos em 2019.

O QUE FAZER EM SÃO PAULO

– Parque Ecológico Imigrantes

Abriu suas portas para o público. Conhecido por ser o único parque do Brasil com conceito, projeto, obra e implantação sustentáveis, o PEI tem como principal objetivo preservar e educar por meio da filosofia japonesa do Mottainai.

O Mottainai propõe uma relação mais consciente com o meio ambiente, reconhecendo o valor dos recursos naturais e o aproveitamento deles sem desperdício e exploração.

Endereço:
Rod. dos Imigrantes, 650 – Curucutu
São Bernardo do Campo – SP

– A Revolução Bipolar, Exposição

Pela primeira vez, a artista ucraniana Pazza Pennello ganha uma exposição no Brasil. Formada por 16 quadros, curados por Paulo Azeco, a mostra traz uma visão interessante sobre o comunismo soviético e o ocidente capitalista. Contamos mais sobre a pop art de Pennello aqui. Vale a visita!

Abertura: 22 de janeiro, terça-feira, das 19 às 22 horas.
Entrada Gratuita
Local: R. Estados Unidos, 2109 – Jardim America, São Paulo.
Horário de funcionamento: de terça à sexta -feira das 10h às 19h e aos sábados das 10h às 17h. Até 30 de março de 2019.

O QUE FAZER NO RIO DE JANEIRO

A nova pizzaria do bairro do Botafogo no Rio, comandada pelo italiano Piero Zolin, já está com as portas abertas. Com pizzas de massas feitas com fermentação natural, as quais levam até 48 para ficarem prontas para assar, coberturas das pizzas vindas do Rio e seus arredores, e vinhos naturais de pequenos produtores, a Coltivi promete bombar.

Falamos mais sobre Piero Zolin e seu novo empreendimento aqui.

Coltivi
@Coltivi
Rua Conde de Irajá, 53, Botafogo, Rio de Janeiro

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários