Rally Náutico reuniu 40 embarcações na Baía de Todos os Santos – Revista Náutica

16

A largada da 9a edição do Rally Náutico da Bahia foi dada às 10h deste sábado, dia 2, na Bahia Marina, em Salvador. A competição, dividida em quatro categorias: Geral, Graduado, Aventura e Jets, reuniu 40 embarcações, superando a edição 2016.

Tudo começou já na sexta-feira, com o briefing da competição para os participantes. A reunião aconteceu no Yacht Clube da Bahia e contou com a presnça da Marinha do Brasil, que falou sobre segurança no mar aos competidores. Na ocasião, os participantes ficaram por dentro da prova e receberam seus kits para o grande dia.

Neste ano, o rally contou com algumas mudanças. Entre elas, a largada que aconteceu da Bahia Marina, passando por um também novo ponto neutro, a Ilha de Bimbarras, chegando ao Yacht Clube da Bahia, como de costume, para a grande festa de encerramento, animada pela banda Maria Te Viu e pelo cantor Daniel Vieira. Na Ilha de Bimbarras, a agitação ficou por conta da DJ Barbie.

De acordo com Leilane Loureiro, diretora da Bahia Marina e diretora de prova do Rally Náutico da Bahia, o novo percurso desenvolvido pelo técnico David Perrone teve distância maior, possibilitando mais desafios aos competidores.

Foram cerca de quatro horas de prova, onde a diversão e apreensão dos comandantes e navegadores caminhavam juntas. Ao mesmo tempo que estavam todos ali, entre amigos, o gostinho de estar no pódio também fazia parte das atenções.

Marcelo Sacramento e Marcelo Campos ficaram em primeiro na listagem Geral; na Graduados, quem levou a melhor foram os irmãos Edmundo e Emmanoel Ramos, com Tony e Gabriel Granjo em segundo, e Luiz Fernando e Darlan Ribeiro em terceiro. Luiz Otero e Nixon Muniz ficaram em primeiro lugar da Aventura, na frente de Osvaldo Neto e Osvaldo Junior, em segundo, e Rilson e Mariana Moitinho em terceiro.

A categoria de jets teve um crescimento considerável nesta edição, com 17 participantes, incluindo o piloto baiano campeão mundial de motosurf Bruno Jacob, que participou ao lado do irmão Leonardo Jacob e levou o troféu para casa. Os segundo e terceiro lugar da categoria ficaram, respectivamente, com Adriano e Manuela Borges e Luis Duarte e Raimundo Nunes.

Caracterizado como uma atividade de lazer e esporte, o Rally Náutico não é uma corrida de velocidade e sim de regularidade náutica, aliando tempo e localização de forma exata: em todas as lanchas e jets, foram instalados aparelhos de GPS, chamados data logger, que monitoraram os dados dos participantes.

Com o peso do título inédito do Brasil, conquistado esse ano na maior competição off-road do planeta, o Rally Dakar, o campeão Lourival Roldan levou toda sua experiência em rallys automobilísticos e náuticos para a Bahia e assumiu a comissão técnica da prova.

Foto: Tarso Figueira

Fonte Oficial: Revista Náutica.

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários