Rodrigo Hilbert se considera um feminista – GQ

7

Rodrigo Hilbert: “As mulheres com voz, como a Fernanda, têm o lugar delas e ninguém tira” (Foto: Ney Coelho / Divulgação)

À frente do Tempero de Família e capa da GQ Brasil de Junho/Julho, Rodrigo Hilbert acredita na igualdade e na alternância de poder. Sobre ser visto como um feminista, ele é direto: “Eu me considero muito. A gente já viu que o mundo comandado por homens não dá certo. Comandado por elas, vai dar. Penso, sim, sobre igualdade e acho que isso vai acontecer. A gente vai sofrer muito, mas vai rolar”.

+ Rodrigo Hilbert e Fernanda Lima falam sobre sonho de ter a casa cheia

+ “Nós somos pessoas públicas, podemos ajudar”, diz Hilbert

+ “Quem toma conta da cozinha lá de casa sou eu!”, conta Rodrigo Hilbert

Hilbert fala sobre esta era do empoderamento feminino. “As mulheres com voz, como a Fernanda, têm o lugar delas e ninguém tira. O que foi conquistado não volta mais. Se acabar, a gente vai para a rua”, admite o artista que vê o Brasil ainda polarizado. “Quando a eleição [presidencial] acabou, perdi 100 mil seguidores; a Fernanda, 300 mil”, faz as contas. Otimista, ele acredita no país: “Tem muita coisa boa aqui. Temos muitas riquezas – só precisam estar nas mãos certas. O futuro promete, só depende do nosso voto. Não dá para poucos terem muito dinheiro e muitos não terem nada”.

+ “O feminismo fez muito bem ao homem”, diz Maria de Médicis

+ “O feminismo liberta os homens”, acredita Gabriel Godoy

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários