Ryan Gosling fala da dualidade na vida de Neil Armstrong: “A Lua e a pia da cozinha” – GQ

10

Ryan Gosling, estrela de O Primeiro Homem, filme que estreia nesta quinta-feira nos cinemas, é capa da GQ americana deste mês de outubro. Na entrevista à revista, ele tem ao lado o diretor do filme que abriu o Festival de Cinema de Veneza, Damien Chazelle, vencedor do Oscar de Melhor Diretor e Melhor Filme com La La Land: Cantando Estações, sua primeira parceria com Gosling.

Ryan Gosling, Claire Foy e Damien Chazelle no Festival de Veneza (Foto: Getty Images)

Mas quando Gazelle encontrou pela primeira vez o ator, de quem era fã, logo depois da estreia de Whiplash – “só de encontrá-lo e conversar já era um prêmio para mim” – a ideia de um filme baseado na biografia de Neil Armstrong por James R. Hansen (2005) – que a dupla chama de “Bíblia” – , primeiro homem a pisar na Lua, já estava em pauta. “Eu acho que ainda estamos processando essa conquista”, diz Chazelle. “Pessoas andando pela Lua é tão gigantesco quanto Moisés abrindo o caminho no Mar Vermelho”.

+Jeff Bezos quer mandar turistas ao espaço – já no ano que vem 
+5 lições que você pode aprender com Ryan Gosling e seu cabelo 
+Certo relógio tem participação especial no filme “O Primeiro Homem”

O Primeiro Homem (Foto: Divulgação)

Para Gosling, a conversa já foi inspiradora: “Mesmo naquele primeiro encontro, eu me senti como se já tivesse visto o filme”. 

O Primeiro Homem (Foto: Divulgação)

Ser o segundo projeto com o diretor ajudou na relação, segundo Gosling: “Eu acho que a gente passa muito tempo sendo educado e respeitoso no primeiro filme. Então, no segundo, é um alívio. Você é menos meticuloso e sente que pode ser mais honesto, está mais apto a realmente trabalhar”.

Para viver Armstrong, Gosling visitou a terra natal do astronauta, Wapakoneta, Ohio, e conversou com seus amigos e familiares, além de visitar o Armstrong Air & Space Museum. Na volta para Los Angeles, o ator decidiu ter aulas de voo. Vale ressaltar que Gosling fez todas as cenas de ação, incluindo ser chacoalhado à exaustão em uma cápsula de treinamento da Nasa, “você começa a soltar uns sons que nunca ninguém deveria ouvir de si mesmo”. 

O Primeiro Homem (Foto: Divulgação)

As semelhanças entre Gosling, sempre discreto sobre sua vida pessoal, e Armstrong podem ser vistas na personalidade fechada e enigmática do astronauta. “Dizem que nenhum homem é uma ilha; bem, Neil era uma espécie de ilha”, disse Mike Collins, colega de Neil na missão Apollo 11.

A dualidade na vida destes heróis nacionais foi o que interessou o ator: “Como esses astronautas estavam usando o seu conhecimento científico para explorar os vastos mistérios do espaço e, ao mesmo tempo, eles voltavam para casa e iam cortar a grama e tirar o lixo para fora. Nós usávamos a expressão ‘a Lua e a pia da cozinha’. Eu acho que era isso que tentávamos entender, como eram esses extremos – e honrar isso.”

Esperança é a palavra que move Gosling no filme. “Qual é a quantidade de esperança que foi necessária para alcançar o feito? Isso permeou o globo, e o mundo foi preenchido com essa esperança que talvez tenha mostrado apenas a superfície de todo o nosso potencial. Eu acho que imbuiu o mundo com esse sentido de esperança para o futuro que, você sabe, é realmente sem precedentes…é difícil de imaginar…”, diz o ator, que nasceu em 1980.

O Primeiro Homem (Foto: Divulgação)

Antes de terminar a entrevista, o diretor Gazelle fez reverência a o que ele chama de “pai” dos filmes de exploração do espaço. “Eu acho que sempre quando você faz um filme de espaço, eventualmente você tem que se confrontar com 2001, Uma Odisseia no Espaço (de Stanley Kubrick). Todo filme desta categoria é na verdade um filho de 2001, queira ou não”.

Assista ao trailer de O Primeiro Homem.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários