Sam Fogarino fala sobre a expectativa do Lolla, inspirações e novo momento do Interpol – GQ

4

A banda de rock americana Interpol sobe em um dos palcos do Lollapalooza neste domingo (7), último dia de festival (para tristeza de todos) prometendo agitar os fãs presentes.

Em entrevista exclusiva para a GQ, Sam Fogarino, baterista da banda falou sobre o setlist do Lolla, a saída de Carlos Dengler e inspirações:

+ Portugal. The Man não abre mão de falar sobre direitos humanos
+ Fernanda Paes Leme tem grupo de WhatsApp com Sandy e Junior

GQ: Interpol é uma banda conhecida pelas músicas mais introspectivas, emotivas. Vocês costumam mudar algo na setlist quando precisam tocar para grandes públicos, como o do Lollapalooza?
“Sim, nós temos isso em mente. É importante fazer isso porque muita gente conheceu a gente nos primeiros álbuns e quer ouvir aquelas canções. E também nós sabemos que estamos numa festa. As pessoas querem se divertir. Eu penso que nós não precisamos ser mais rock and roll ou algo do tipo, mas conseguimos ganhar grandes plateias pela atmosfera da música, sabe?”

GQ: A banda se tornou um trio a partir do álbum El Pintor. Para você, o que mudou na sonoridade da banda após a saída de Carlos Dengler (antigo baixista)?
“É difícil dizer tudo o que mudou na banda (após a saída de Carlos). Eu penso que nós, como músicos, nos tornamos melhores. Na comparação com outros álbuns, eu vejo mais maturidade e mais corpo nas musicas após El Pintor. E não é uma coisa sobre a nossa formação. Essa evolução é consequência natural. Nós mudamos o que precisava ser mudado. Para mim, foi algo positivo”

GQ: Interpol é uma referência de estilo para muitos fãs. Você reconhece isso? Quais são as suas referências?
“Bem, antes de tudo, eu preciso dizer que estou envelhecendo (Sam tem 50 anos) e tenho tocado bateria há muito tempo. É uma linha tênue entre se sentir confortável e permanecer na moda. Mas eu tenho em mente que Interpol é Interpol. As pessoas vão querer me ver bem. E é difícil definir o que cai bem somente num bar e o que pode ser vestido num show. Mas creio que se tornou algo natural para a gente. Principalmente Daniel. Paul e eu somos mais, digamos… eu não sei . Daniel está sempre bem”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários