Sapato transparente: modelo é sensação entre famosas – CLAUDIA

11

Calçado é versátil e pode ser usado em várias combinações de looks

Por
Pamela Malva

access_time

3 jul 2018, 20h12

Por ser um dos maiores nomes da música pop e ter mais de 115 milhões de seguidores só no Instagram, a cantora Beyoncé dita muitas tendências de moda. A mais recente, que tem chamado a atenção dos fãs, é o sapato “invisível”.

Ainda que pouco usual, muitas celebridades já optaram pelo modelo, já que combina com todos os tons de roupas e de acessórios. Dessa forma, a versatilidade é um dos lados positivos da peça: os sapatos combinam com os looks mais formais aos mais casuais.

Além da Beyoncé, que já desfilou várias vezes com suas sandálias de salto alto com tiras transparentes, Kim Kardashian mostrou seu scarpin transparente nas redes sociais. No caso de Kim, os calçados, que ela apelidou de “sapato da Cinderela”, são feitos de PVC pela grife Yeezy, do marido Kanye West, e custa mais de R$ 2 mil.

Leia mais: Há 24 anos, Diana usou este vestido para se vingar de Charles

No Brasil, a cantora Simaria tem um scarpin Chanel, de bico fino, com uma abertura atrás, que ela usa o tempo todo, com diversos visuais. Junto com ela, a cantora Anitta, já posou com uma bota invisível, criada pela estilista Andressa Salomone, que custa cerca de R$ 2.000.

Com essa tendência fazendo tanto sucesso, marcas nacionais já estão vendendo modelos transparentes por preços mais acessíveis. A marca Victor Vicenzza oferece desde scarpins até botas over the knee, por valores entre R$ 199,90 e R$ 299,90. Além dessa, as marcas Amaro e Schutz, e o site Dafiti, possuem modelos transparentes.

Leia mais: Débora Nascimento e José Loreto mostram rosto da filha pela primeira vez

Veja mais: O único alimento que a rainha não deixa Meghan comer

Siga CLAUDIA no Instagram!

Fonte oficial: CLAUDIA

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários