Seda de laranja e couro de casca de uva: um mergulho no mundo dos materiais sustentáveis – GQ

8

No início do ano, em Londres, perdi uma escala de um voo para o Brasil e fui passar 24h com meu amigo, o estilista Pedro Lourenço. Ele estava a toda com os preparativos de sua nova marca, a Zilver, que estreou em setembro na semana de moda local.

Na parede de um dos quartos transformado em home office, Pedro tinha não o tradicional moodboard com referências de imagens, mas dezenas de amostras de tecidos exclusivíssimos. “Desde que saí da La Perla, em 2016, me concentrei em estudar e descobrir materiais sustentáveis de alta qualidade”, me contou o estilista que estreou em 2002, aos 12 anos, desenhando as coleções da Carlota Joakina, então a grife jovem de sua mãe, a também estilista Gloria Coelho.

+ Selfridges anuncia que não venderá mais produtos feitos com peles exóticas
+ Com olho na sustentabilidade, a Timberland recruta Christopher Raeburn como novo diretor criativo
+ Hugo Boss foca em arte e sustentabilidade em coleções cápsula

Sedas de laranja, couros de casca de uva e de maçã, algodões orgânicos, náilon reciclado, fibras de leite. “Para passar na minha seleção, o toque, a aparência e a durabilidade têm de ser tão bons ou superiores aos dos tecidos tradicionais”. Com design contemporâneo que mixa alta moda ao sportswear, a Zilver foi lançada sem grande alarde e com peças sem gênero. No design, a inspiração é aerodinâmica e vem de Ayrton Senna, Oscar Niemeyer e dos astronautas dos anos 60.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários