Sensualidade, rebeldia dos anos 70 e oeste americano embalam resort 2020 da Balmain – Moda – Glamurama

14

Sensualidade, rebeldia dos anos 70 e Oeste americano embalam resort 2020 da Balmain || Créditos: Divulgação

Sensualidade, rebeldia dos anos 70 e oeste americano embalam o resort 2020 da Balmain, que desembarca em dezembro na loja do Shopping Cidade Jardim. Grande parte da coleção traz o mood boêmio e não-conformista dos anos 70, capturando um pouco da vibe rebelde – uma atitude que parece necessária nos dias de hoje, segundo Olivier Rousteing, diretor criativo da Balmain. “Sou um garoto dos anos 90, então é natural que muitas de minhas inspirações me direcionem ao espírito, à música e ao estilo desses anos. Ao mesmo tempo, sempre fui fascinado pelas décadas de 70 e 80, particularmente os anos 70, uma era que se destaca por sua energia ousada e audaciosa”, explica ele.

A coleção transforma as silhuetas por meio de técnicas sofisticadas de alfaiataria, smokings e blazers trespassados se tornam cáftans, cardigãs de tweed em vestidos, e camisas em vestes com efeito de espartilho. Outras referências boêmias que percorrem as criações tem origem no sudoeste americano, com sua herança gráfica única. São peças com mosaicos espelhados, vidrilhos bordados, tramas de couro e uma estamparia habilidosa, permitindo uma interpretação única, tipo couture, das cores e padrões marcantes daquela região.

Motivos monocromáticos também são um elemento importante do estilo da Balmain e desempenham um papel fundamental na coleção. Além das muitas variações do xadrez favorito do diretor criativo, o pied-de-poulle, a linha tem ainda listras em preto e branco, xadrez, poás e desenhos de tatuagem modernos para cobrir uma grande variedade de tecidos e silhuetas. Cortes militares, padrões e cores são outra assinatura familiar da casa, e assim como as ofertas em preto-e-branco, elas se adaptam bem ao espírito BaBo (Balmain-bohème) do Resort 2020.

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários