Sob vaias e aplausos, Colin Kaepernick ressurge em nova campanha da Nike – GQ

6

Trump pode odiá-lo, seus eleitores também, mas a moral de Colin Kaepernick continua alta. O ex-quarterback do San Francisco 49ers, que perdeu o emprego por liderar protestos contra abusos policiais contra a população negra nos EUA, já foi escolhido cidadão do ano em 2017 no país e, agora, é a face da campanha de comemoração dos 30 anos do slogan Just Do It, da Nike.

Finalista da liga com o título de promessa de craque em 2012 (e com desempenhos bem mais discretos nos anos seguintes), Kaepernick ficou sob os holofotes por não ter se levantado durante o hino nacional americano em 2016 e se ajoelhar contra “a injustiça racial e a brutalidade policial”. A atitude rendeu tantas críticas como aplausos, mas fez com que o quarterback enfrentasse dificuldades para encontrar um novo time depois do fim de seu contrato com os 49ers e saísse da liga.

+ Colin Kaepernick é eleito “cidadão do ano” pela GQ USA
+ Casagrande: O que é democracia?

Agora, contudo, ele estampa o novo pôster da gigante dos materiais esportivos, com a frase: “Acredite em algo, mesmo que isso signifique sacrificar tudo”. Desde 2016 Kaepernick não aparecia em uma campanha da empresa do Oregon.

“Acreditamos que Colin é um dos atletas mais inspiradores desta geração, que alavancou o poder do esporte para ajudar a levar o mundo adiante”, disse o vice-presidente de marca da Nike na América do Norte, Gino Fisanotti, em entrevista à ESPN.

Segundo informações na mesma reportagem, trata-se de uma grande parceria, com Kaepernick ganhando sua própria linha de sportswear. O que é uma prova de que, para a Nike, esse foi um movimento muito pensado – e não só uma mera afronta gratuita a Trump e seus comensais. A primeira reação à campanha foi um baque financeiro (aponta-se uma queda de 3% no valor de suas ações), mas é bem provável que graças a ela o swoosh e Kapernick estejam em destaque por um bom tempo. 

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários