TAG Heuer revisita o modelo Carrera em nova edição – GQ

11

A TAG Heuer aproveitou o Salão Internacional de Alta Relojoaria em Genebra, na Suiça, para apresentar mais uma reinterpretação do Carrera, seu relógio de movimentos complexos e inspiração autmobilística que data de 1963.

O Nanograph vem munido do movimento Heuer 02T, um complexo conjunto de engrenagens e uma nova espiral produzida com uma estrutura molecular de caborno nanoscópica (um milhão de vezes menor que o milímetro).

O conjunto forma um novo turbilhão. A complicação resultante, assegura a empresa, imprime um estilo visual próprio e respeita as normas oficiais para a sua classificação como cronómetro.

Lens Position: 2768 (Foto: Divulgação)

Segundo resume Stéphane Bianchi, CEO da Divisão de Relojoaria do Grupo LVMH e CEO da TAG Heuer, em comunicado para a imprensa: “Esta nova interpretação do TAG Heuer Carrera, com a sua avançada tecnologia desenvolvida internamente, sublinha o nosso legado de atingir a excelência em relojoaria e comprova que permanecemos fiéis aos nossos valores de desempenho, inovação e vanguardismo”.

+ Quem disse que relógios digitais não têm o seu valor?
+ Montblanc mira no público de alta performance com novo smartwatch
+ Esse é o primeiro relógio que só pode ser comprado em bitcoins

Estas aspas têm um quê extra de significância. Este relógio, afinal, é o primeiro lançado na gestão de Bianchi como diretora executiva da marca. O Nanograph também é o passo inicial em uma estratégia da empresa suiça ter mais independência na linha de produção. Além de resistente, a nova espiral foi pensada por um time in-house de matemáticos e profissionais da física e química. Até então, a TAG Heuer adquiria soluções da fabricante Nivarox, que em 2012 chegou a trabalhar com 80% da indústria relojoeira.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários