Transporte público autônomo pode ser uma realidade na China ainda este ano – GQ

4

O Baidu não é apenas aquele software inconveniente e quase impossível de deletar que invade seu computador sob a mera menção de um download questionável. Ele também é uma dessas gigantes tech que, como a Tencent do bilionário Ma Huateng, opera em toda sorte de fronts, incluindo pesquisa em realidade virtual, motores de busca (não à toa ela é conhecida como o “Google chinês”) e programas para veículos autônomos.

Esta última iniciativa, por sinal, vem ganhando corpo. Bastante corpo. Em conferência realizada esta semana, a gigante não só anunciou o lançamento de seu 100° ônibus-robô, como mostrou o modelo saindo ao vivo da fábrica da King Long, fabricante chinesa de automóveis que faz parceria com o Baidu no programa.

Esta frota deve começar a operar entre este ano e 2019, começando em cidades como Pequim, Shenzhen, Pingtan e Wuhan e fazendo jornadas ainda bem limitadas. O Apolong (nome dado ao veículo) pode levar até 14 passageiros por aeroportos, pontos turísticos e outros ambientes mais controlados. Visto os experimentos não exatamente felizes da Uber nos EUA, a cautela é bem-vinda.

O ônibus – que lembra o e-Palette – é o primeiro lançamento comercial da marca a levar embutido sua tecnologia proprietária de IA para veículos, o Apollo. Com ele, os Apolongs atendem ao nível 4 de veículos autônomos de acordo com a agência americana de trânsito NHTSA, significando que o programa é capaz de assumir todas as funções do automóvel em certas condições geográficas.

Uma frota com capacidade para 1,4 mil passageiros não é exatamente revolucionária, mas o Baidu não planeja parar por aí: ele também expande os planos para o mercado japonês – com parceria firmada para levar os Apolongs para ruas do Japão já no próximo ano. 

O “Google chinês” está se movendo para firmar liderança na área, que pode crescer em US$ 6,8 bi até 2025 de acordo com o Fórum Econômico Mundial. No meio tempo, só por precaução: continue tomando cuidado com onde você baixa seus arquivos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários