Três coisas que você precisa saber antes de ver ‘A Freira’ – GQ

43

Você deve ter visto por aí que nesta quinta-feira (6) estreia o longa A Freira, terror que funciona como spinoff/prequela do consagrado Invocação do Mal. Como ele provavelmente será o filme do gênero mais falado do ano, é melhor ver para não ficar de fora. Então aqui vai um guia rápido e sem spoilers para saber o que encontrar na sala de cinema.

+ Os 31 melhores filmes de terror de todos os tempos
+ 10 filmes de terror da Netflix para você resistir e ver até o final

É um spinoff

Sabe o que é um spinoff, Rogerinho? É uma obra originada de outra. Geralmente uma parte de um universo que, se mostrando interessante, é explorada de forma independente. É o caso em A Freira, que conta a história de origem de Valak, um demônio que apareceu em Invocação do Mal 2. Ou seja, você precisa assistir Invocação do Mal (para saber do que se trata) e Invocação do Mal 2. Mas não precisa assistir Annabelle e Annabelle 2, que também são spinoffs de Invocação do Mal, mas são meia boca e contam outra história.

Mas também é uma prequela

Assistir aos filmes não garante muito, já que a relação entre A Freira e Invocação não é totalmente clara. A protagonista, irmã Irene (Taissa Farmiga), é uma freira que ainda não fez seus votos. Mas não sabemos se ela é parente ou uma versão mais jovem de Lorraine Warren, interpretada por Vera Farmiga (sim, as atrizes são irmãs) em Invocação e Invocação 2. Também misterioso é o motivo pelo qual a personagem foi escolhida pelo Vaticano para realizar uma missão sombria ao lado de padre Burke (Demián Bichir), que investiga ocorrências estranhas. Talvez venham mais spinoffs por aí.

É um terror clássico

Segue a história: em uma remota abadia na Romênia em 1952, uma freira se enforca. Chegando lá, irmã Irene e padre Burke são obrigados a passar a noite no lugar, que não tem luz elétrica e parece abandonado, para investigar o suposto suicídio. O resto você já pode imaginar: personagens andando sozinhos no escuro na maior ingenuidade, decisões de roteiro questionáveis, atuações caricatas e, claro, jump scares a rodo. Tudo que compõe um terror daqueles clássicos, para ver numa sexta à noite com a luz da sala apagada e tomar uns bons sustos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários