Tudo o que sabemos sobre o novo projeto dos Beastie Boys – GQ

5

No ano passado, os Beastie Boys lançaram uma gigante autobiografia. Nas coletivas de imprensa sobre o livro, Michael “Mike D” Diamond e Adam “Ad-Rock” Horovitz anunciaram que haveria algo grande a ser lançado como complemento da obra. Meses depois, ainda sabemos pouco sobre o tal projeto – mas agora, ao menos, ele tem nome: “Beastie Boys Story”.

As únicas informações palpáveis são: os membros vivos do clássico trio farão três shows em abril (no dia 05 de abril, no Tower Theater, na Filadélfia, e nos dias 8 e 9 de abril, no Kings Theater, no Brooklyn, em Nova Iorque), dirigidos por Spike Jonze, amigo de longa data do grupo (talvez você se lembre que ele dirigiu o videoclipe da música Sabotage, em 1994, abaixo).

Nesta terça-feira (19), Jonah Hill forneceu mais uma breve informação em sua conta no Instagram. Mostrando uma capa de roteiro, ilustrada pela informação “dirigido por Spike Jonze”, ele escreveu: “absolutamente honrado em produzir este show ao vivo com meus heróis, que contarão a sua história, dirigidos pelo meu outro herói”.

+ 1994: o legado de um ano fundamental na história da música
+ 5 festivais de música que você deveria conhecer em 2019

Em entrevista à Billboard na semana passada, durante o SXSW, Mike D falou vagamente sobre as apresentações, relembrando que se trata de um complemento da autobiografia. “Nós escrevemos o livro e, em vez de irmos às livrarias, o que provavelmente teria sido um saco, idealizamos shows para que estivéssemos nós dois no palco, reunidos”.

Ou seja, as apresentações podem ser um misto de leitura do livro e show – ou mesmo um monólogo, um musical, com qualquer coisa os caras inventem na hora. Sabemos, no entanto, que Spike Jonze irá dirigir toda a jornada, Jonah Hill ficará na produção e, bem, duas lendas estarão no palco. Parece o suficiente para acreditar que vem algo muito bom por aí.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários