Uber vai usar seu celular para entender problemas no trânsito – GQ

9

(Foto: Getty Images)

A Uber está desenvolvendo desde o ano passado uma maneira remota de observar e responder a acidentes ou casos suspeitos no trânsito (um carro parado por tempo demais com o passageiro dentro, por exemplo). A estratégia chega a usuários americanos do serviço na forma da função ‘RideCheck’, que aproveita dos sensores que seu smartphone usa para se orientar (acelerômetros, giroscópios e GPS, por exemplo) com o objetivo de entender o que está acontecendo durante uma viagem. A função deve chegar em breve a outros lugares do mundo.

+ Nos EUA, a Uber busca espaço também no transporte público
+ Em breve você vai pagar uma mensalidade pela Uber
+ Este patinete dobrável é nova aposta da Hyundai para mobilidade urbana

Digamos que o celular do motorista e do passageiro estejam parados, ou que haja uma série de movimentos bruscos. O próprio sistema do app abre uma tela perguntando se está tudo bem e oferecendo a opção de contactar com serviços de emergência ou a própria central de atendimento do Uber. Funcionários da empresa podem entrar em contato caso nada seja feito após o alerta.

O sistema espera evitar alarmes falsos, como um celular tombando acidentalmente da mão do passageiro ou do painel do carro, através do emprego de aprendizado de máquina, que contextualiza as informações vindas dos sensores do smartphone. Os usuários também podem responder que está tudo bem após surgir o alarme, algo que ajuda o time a melhorar o serviço.

Do lado do usuário, a função não vai exigir permissão extra – ela depende mais do app do motorista, que é quem mantém o celular ligado no aplicativo por boa parte do tempo durante a viagem.

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários