Você sabe qual é seu propósito na vida? – GQ

13

Você tem um propósito na vida? (Foto: Getty Images / Akindo)

O significado literal de propósito é: aquilo que se busca alcançar; objetivo, finalidade, intuito. Martin Luther King Jr., Gandhi, Padre Pio, Nelson Mandela e muitos outros, ao longo de suas vidas, encontraram seus propósitos e buscavam alcançar seus objetivos, cada um em sua área. Mas como eles fizeram isso?

+ Como gerir bem o seu tempo pode ajudar a conquistar o que você almeja
+ Quem é o guru moderno que vem conquistando businessmen e atletas de ponta
+ Como viver 130 anos? O Wired Conference aborda saúde e bem estar para vidas centenárias

Essa é uma pergunta frequente entre meus alunos. Mais da metade das pessoas não faz ideia de seu propósito de vida, não sabe por que estão no mundo e acreditam que, mesmo de forma simples, podem se tornar melhores como ser humano – e assim encontrar mais felicidade. São pessoas que me procuram, profissionalmente, com a intenção de se autoconhecere e buscar seus dons ou compreender o que os torna “especiais”. 

Mas você sabia que somente 2% da população tem interesse em encontrar seu propósito dessa forma, através do autoconhecimento? Deveria ser mais, já que a busca por entendimento e por como desfrutar de sua inteligência é um presente a si mesmo.

Durante nosso processo de evolução da vida, é comum nos deparamos com momentos em que olhamos para os lados e não temos certeza se o caminho que estamos seguindo é o que realmente escolheríamos se tivéssemos a oportunidade. Ao longo da minha vida, já me vi perdido e me sentindo vazio algumas vezes, sem saber para qual sentido seguir. E assim como eu já me senti, você pode estar passando por isso. 

Divida

Para mim, propósito é algo determinado pelo indivíduo e, para descobri-lo, precisa-se de autoconhecimento. Esse pensamento vem de uma parábola oriental mais ou menos assim: “A visão que nossa cultura tem no presente sobre quem somos e propósitos é herança dos conhecimentos da psicologia antiga, que compreendia que são as características da personalidade do ser humano que determinam quem ele realmente é.”

Ou seja, na visão oriental entendemos esse conceito de “quem somos” fazendo uma pequena divisão entre a nossa essência (purusha) e o que é a nossa personalidade. Imagine um belo quadro, em que a tela, ainda em branco, é a nossa essência, sem atributos,  nossa forma mais pura de ser. Ela é imutável e representa o que somos na parte mais sutil. Por outro lado, as tintas sobre ela aplicadas representam nossa personalidade, os valores e a história que contamos. Ela é temporal, modificável e pode ser esculpida, transformada e construída de acordo com a nossas vontades, emoções e ações.

O grande ponto é que essa pintura que representa nossa persona foi sendo construída ao longo da vida, de forma inconsciente, e nela estão nossos traços comportamentais, nossos condicionamentos,nossa autopercepção e as características que definem quem somos. É por isso que nem sempre ela tem as características que consideramos as melhores para uma obra de arte.

Treine

Criar consciência disso é um trabalho contínuo, árduo e diário. Ao mesmo tempo libertador, pois sai do paradigma de que somos matéria pré-definida, vítimas do acaso, da cultura e de influências externas. Passamos assim a ter livre arbítrio para definirmos verdadeiramente a nossa história.

Como respondemos à pergunta do início, então? Para encontrar o nosso propósito, precisamos primeiro desnudar nossos pensamentos e nos conhecer, sem a interferência do mundo exterior. A meditação e os exercícios físicos são ferramentas boas para isso.

Acompanha tudo de GQ? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais,o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

Gostou da nossa matéria? Clique aqui para assinar a nossa newsletter e receba mais conteúdos.

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários