Wanda Ferragamo, mulher que ergueu um império do luxo, morre aos 96 – GQ

6

Wanda Ferragamo, que ocupava o cargo de presidente honorária da fabricante de calçados Salvatore Ferragamo, faleceu na última sexta-feira (19), informou a família. Ela foi imagem ilustre na liderança da companhia desde que assumiu a direção da empresa em 1960, transformando-a em referência da moda de Florença.

Não é apenas o meio século na frente de sua marca que torna a trajetória de Wanda notável. Viúva de Salvatore há 58 anos, Wanda primeiro assumiu a presidência sem qualquer experiência em administração, fazendo uma dobradinha com sua filha, de então 16 anos, na liderança da Ferragamo enquanto aprendia as atribulações de seu ofício – e criava um total de seis filhos em casa. Pois é. E depois dizem que multitasking é coisa nova.

Junto de Donatella Versace, Miuccia Prada e as irmãs Fendi, Wanda é símbolo de uma geração de mulheres empreendoras que mudaram o panorama da moda.

A marca de sapatos virou ícone do luxo principalmente através da iniciativa de Wanda de incluir roupas e acessórios nos negócios – um sonho de Salvatore que virou realidade apenas depois de sua morte. Mesmo com seu filho, Ferrucio, no controle da marca, Wanda se manteve na ativa.

Entre os clientes notáveis de Wanda estiveram Marilyn Monroe – cujo salto alto feito sob medida veio a se tornar um modelo icônico da Ferragamo – Audrey Hepburn e Greta Garbo. No total foram 350 patentes e 20 mil modelos de calçado desenvolvidos pela italiana. Segundo informação de seu mais recente ano fiscal, a companhia conta com receita de 1,4 bilhão de euros. Com a recente compra da Versace, a Ferragamo segue em uma lista cada vez mais rarefeita de negócios independentes da moda europeia, e com menos um membro da família na direção, especialista vêem novas oportunidades de aquisição.

+ Salvatore Ferragamo – Semana de Moda de Milão Verão 2018
+ Confira os acessórios capazes de transformar qualquer traje clássico
+ Com formas folgadas e atitude relax, a alfaiataria faz bonito no fim de semana

Nos últimos tempos, a empresa apostou em talento da Louis Vuitton, Lanvin e Saint Laurent para tocar sua linha masculina em 2016 e, em julho, recrutou o ex-Gucci Micaela Le Divelec Lemmi para o cargo de diretor executivo do grupo. Tudo com um olhar mirado na tradição. “A descendência é a base para transformar uma visão no futuro”, já disse Leonardo Ferragamo.

“É com dor imensa que queremos contar do falecimento de nossa mãe”, disse Leonardo, Giovanna, Ferrucio e Massimo Ferragamo em mensagem para seus cerca de 4 mil funcionários (via BoF). “Suas lições valiosas e sua memória são exemplos de integridade e de uma grande paixão pela vida para todos nós.”

Fonte oficial: GQ

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários