WGSN aposta na Neo Mint para cor do ano de 2020. Aos detalhes! – Moda – Glamurama

28

Olivia Palermo no street style x Prada nas passarelas || Créditos: Reprodução Instagram/Divulgação

Um tom de verde suave, mentolado e relaxante chamado “Neo Mint” vai dominar o décor e as passarelas em 2020, segundo a WGSN, empresa líder mundial em tendências e previsões. Cores que apareceram em anos anteriores, como laranja, amarelo, roxo e azul, também voltam com novas nuances para agradar uma geração moderna e conectada.

A pesquisa foi baseada no comportamento da humanidade em 2020, período que representa um pico de inovação e tecnologia para os estudiosos, além de ser um ano importante com a realização da Olimpíada de Tóquio, em que a inteligência artificial terá papel fundamental nas avaliações dos ginastas, o novo prédio mais alto do mundo, o Jeddah Tower, que será concluído na Arábia Saudita e um novo programa da NASA que vai checar se Marte consegue sustentar a vida microbiana e, quem sabe, ser habitável para seres humanos. Entre todos esses marcos históricos, a tecnologia também será ainda mais incorporada ao cotidiano, assim como na moda e na decoração. “Há anos imaginamos a vida em 2020 e agora o mundo da tecnologia e da ciência está transformando esses sonhos em realidade”, contou Jane Boddy, diretora de cores da WGSN.

NEO MINT

O tom de verde é uma evolução natural do Millennial Pink e do Gen Z Yellow que dominaram a indústria nas últimas temporadas e representa a harmonia entre natureza e tecnologia, cada dia mais essencial para uma vida equilibrada no mundo moderno. Para quem ainda tem medo de usar, o tom pode ser combinado como uma alternativa ao cinza. Neo Mint já está acontecendo e não é preciso esperar até 2020 para testar a tendência, glamurette.

Mancebo Pepi, DonaFlor Mobília; Pendente Raízes, Bertolucci; jaqueta e saia Moschino; desfile Chanel 2018 || Créditos: Divulgação

Fonte oficial: Glamurama

​Os textos, informações e opiniões publicados neste espaço são de total responsabilidade do(a) autor(a). Logo, não correspondem, necessariamente, ao ponto de vista do Sixth Sense.

Comentários